Adèle é mal-humoradinha, mas cheia de personalidade, mas, convenhamos, num mundo cheio de regras para todos os lados, deveres de casa e comida saudável, é 

preciso ser forte. E foi assim que essa menininha quase sempre de cara amarrada acabou conquistando meninos e meninas, pais e professores pelo mundo afora. Com seu jeitinho direto e franco de falar (às vezes até demais!), sua maneira independente (às vezes... meio arriscada) de tentar viabilizar suas ideias geniais e de chacoalhar a lógica dos adultos à sua volta, Adèle se tornou uma heroína sem superpoderes, mas cheia de imaginação e com uma capacidade incrível de misturar fantasia e realidade, maldade e ternura como só as crianças sabem fazer.

Publicada desde 2018, “Adèle, a terrível” é a série de quadrinhos infantil mais lida na França nos últimos anos, e essa personagem cruel e adorável ao mesmo tempo já produziu inúmeros novos e diversos produtos, desde livros de história, de atividades, edições especiais passando por cadernos, agendas, bolsas e canecas, e chegando até o universo digital com games, quizzes e um app só dela.

Nesse terceiro volume da série, Adèle, na sua tentativa de descoberta de um mundo mais emocionante, faz experiências..., digamos, não aprovadas pela comunidade científica tradicional. Ela tenta de tudo para convencer os pais, a avó, os coleguinhas de turma, a professora, o apaixonado Godofredo, Ajax, seu filhotinho de leão, Magnus, o amigo imaginário, e também Fizz, seu filhotinho de urso, de que ninguém pode ser considerado culpado por sua sede de conhecimento.

Driblando com muito humor e ingenuidade o politicamente correto, Adèle faz algo quase impossível nos dias de hoje: une várias gerações em torno dos seus livros coloridos e muito divertidos, passa longe do cancelamento nas redes, aumenta a cada minuto o número dos seus seguidores e ensina a todos nós que ninguém precisa ser uma coisa só o tempo todo.

A culpa não é minha (Adèle, a terrível – volume 3)

R$55.00Preço