top of page

A história real de um encontro improvável que desafiou o preconceito, promoveu a ciência e salvou vidas.

 

No século XVIII, epidemias de varíola varriam a Europa. E a doença era democrática: arrasava tanto o campo quanto os palácios, destruindo dinastias e fazendo os impérios trocarem de mãos. Ninguém estava seguro. É nesse contexto que a todo-poderosa imperatriz da Rússia, Catarina, a Grande, e o médico inglês Thomas Dimsdale se uniram. Numa decisão arriscada e corajosa, a imperatriz aceita se submeter ao estranho procedimento que o médico vinha estudando e que apresentava resultados promissores: a inoculação.

Desenvolvida a partir de uma prática popular, a inoculação consistia em fazer o paciente receber uma gota de pus de uma pessoa infectada para que manifestasse uma versão leve da varíola, adquirindo assim imunidade. A novidade científica foi recebida com resistência e ceticismo por grande parte da população. Catarina sabia, no entanto, que a força do exemplo seria maior que a de uma ordem e decidiu tornar-se a primeira monarca da Europa a ser inoculada, usando a própria recuperação para convencer seus súditos da segurança do novo procedimento.

Num mundo que ainda flerta com a ignorância e a desinformação, a escritora Lucy Ward nos apresenta uma narrativa tão fascinante quanto urgente, revelando detalhes desse encontro que contribuiu para o desenvolvimento das vacinas.

A imperatriz e o médico inglês

R$ 70,00Preço
Somente 1 em estoque
    bottom of page