top of page

Em junho de 2024, Chico Buarque chega aos 80 anos com uma obra que é um verdadeiro monumento da cultura brasileira. Embora tenha atuado em diversos gêneros ― literatura, teatro, cinema ―, foi como cancionista que primeiramente se destacou e produziu de maneira mais prolífica, sendo suas canções seu maior legado para as artes nacionais. Celebrando as oito décadas de vida de Chico, o jornalista André Simões analisa 80 canções do compositor, traçando um painel representativo de toda a sua carreira.

De “Pedro pedreiro” (1965) a “Que tal um samba?” (2022), cada um dos breves capítulos mantém a ideia central de que uma canção não pode ser satisfatoriamente entendida e avaliada quando se trata isoladamente de música ou letra. As análises consideram não apenas a interação lírico-musical, mas também elementos como arranjo, interpretação, contexto histórico e recepção, entre outros. Repassando a carreira de Chico, também se mostra parte relevante da história do Brasil nos últimos 60 anos.

O autor trata as canções com o respeito que merecem, produzindo um estudo com rigor e profundidade, sem abrir mão de uma linguagem acessível, com sabor de crônica. Não