Transformação da esquerda ao longo dos últimos 150 anos – do socialismo científico à atual esquerda pós-moderna - é um dos fenômenos mais intrigantes da política contemporânea. Como pode a esquerda, que antes fundamentava suas pautas na razão e na ciência, ter aderido à ideia relativista de que a verdade não existe? Por que abandonou agendas materialistas (como a socialização dos meios de produção) para, agora, dedicar-se à manipulação da linguagem e ao politicamente correto? Por que a esquerda, que se pensava universalista em sua defesa da classe trabalhadora, agora promove a divisão das pessoas em infinitos grupos minoritários, com as políticas identitárias baseadas em raça, gênero, sexualidade? Neste livro, Stephen Hicks detalha todo o percurso que culminou na estratégia pós-moderna da esquerda na atualidade. O pós-modernismo é definido por uma atitude de ceticismo, ironia ou rejeição aos estudos consagrados de toda a trajetória humana. Frequentemente propõe a flexibilização de conceitos ou tentam ressignificar ideias, a fim de estabelecer suas narrativas, quase sempre, impossíveis de serem verificadas, afinal, sua proposta é manter-se no ambiente das incertezas. E essa é sua principal arma política. Stephen Hicks explica como o pós-modernismo, que serviu de fundação para o surgimento da nova esquerda, possa, de uma só vez, subjugar seus adversários e manter sua fé num projeto coletivista que a história já demonstrou inviável. Nossa cultura se encontra atualmente envolvida em uma guerra de ideias, e essas ideias precisam ser compreendidas. JORDAN PETERSON

Guerra cultural

R$44.90Preço